Há tempos que a manutenção deixou de ser uma atividade de apoio e passou a fazer parte da estratégia de custos e gestão de ativos de uma empresa. Mesmo que ainda não seja exatamente comum, o PCM ou planejamento e controle da manutenção, tem uma função desejada por qualquer organização: a confiabilidade.

Confiabilidade é um conceito qualitativo que é transformado pela manutenção em dados quantitativos. Através dos tipos de manutenção corretiva, preventiva e preditiva, planeja-se uma estratégia que visa o aproveitamento ótimo dos equipamentos e máquinas.

Manutenção Corretiva:  

É a forma mais primária de manutenção, que consiste no ciclo “ quebra repara” pois é o reparo do equipamento depois que o mesmo sofre algum dano. E se pensada na visão total do sistema é uma manutenção mais cara.


Manutenção Preventiva: 

Como o próprio nome já diz, essa manutenção previne através de alguns estudos, possíveis danos que podem atrapalhar o desempenho dos equipamentos ou até mesmo ocasionar algum defeito nos mesmos. Além dos estudos é preciso analisar o local de instalação, estado de equipamento e as condições elétricas em que ele se em contra, entre outros fatores. E para que a manutenção preventiva funcione é necessário que não tenha intervenções corretivas.


Manutenção Preditiva: 

Esse tipo de manutenção, assim como a anterior previne danos nos equipamentos, entretanto essa é feita através de acompanhamento de parâmetros diversos, permitindo a operação contínua do equipamento pelo maior tempo possível.

Manutenção Detectiva:

 As ações de manutenção detectiva só devem ser feitas por pessoas da área de manutenção com treinamento para desempenhar essa função, junto ao profissional de operação, pois esse trabalho consiste em identificar as falhas ocultas para garantir o perfeito funcionamento dos aparelhos.


Concluindo:

Não existe uma receita de bolo perfeita para escolher o tipo de manutenção ideal. Na maioria das vezes a melhor estratégia é utilizá-las em conjunto e de acordo com cada situação. À primeira vista pode-se pensar que a manutenção preventiva seja a ideal. Mas não, nem sempre. Pois quando seu custo for maior que a corretiva, por exemplo, no final das contas, ela será a mais custosa. 

A decisão correta virá de uma análise constante e da modelagem da confiabilidade. Os tipos de manutenção devem ser vistos como opções específicas para cada caso. Ela adquire um lugar estratégico quando deixa de ter apenas eficiência, e passa a ter eficácia.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *